Ji-Paraná quer reduzir êxodo rural na Educação

!cid_ii_13f10ad9a355f661Esta semana, a Secretaria Municipal de Educação (Semed), por meio da Superintendência de Ensino e da Superintendência de Apoio Técnico, deu início a um projeto cujo objetivo principal já fez parte do ideário nacional entre as décadas de 1960 e 1980: a contenção do êxodo rural. À época, segundo dados estatísticos, cerca de 13 milhões de brasileiros saíram de seus locais de origem para se aventurarem pelos centros urbanos do País, o que correspondia a cerca de 30% da população brasileira no início da década de 60. Hoje, em 2013, levantamentos feitos na Rede Municipal de Ensino preocupam: mais de noventa por cento dos estudantes da área rural concluem o Ensino Fundamental e deixam seus lares para estudar na cidade ou, o que é pior ainda, simplesmente abandonam a escola. Outro dado importante é a redução de alunos em sala de aula na área rural para menos da metade na última década.

Acontece que em Ji-Paraná a saída do campo não se apresenta como único caminho. Levantamentos indicam, por exemplo, que não chega a vinte os alunos de Ji-Paraná matriculados no ensino médio da Escola Família Agrícola Itapirema (EFA Ji-Paraná), localizada na Linha Itapirema, número que representa menos de 10% do corpo discente da escola técnica. E é justamente por isso que esta semana dezenas de alunos, professores e técnicos de nove escolas da zona rural do município estão sendo conduzidos a um passeio para conhecerem a EFA Itapirema.

A intenção neste primeiro momento, segundo Cristiano Terto da Silva, gerente do Ensino Fundamental, é incentivar os alunos a buscarem a EFA Itapirema, tendo-a como uma opção para que possam completar o Ensino Médio sem distanciarem-se de suas origens, suas comunidades, seus familiares.

Na programação de acolhimento dos visitantes, nos dias 3, 4 e 5, a Escola Família Agrícola prepara, além de café-da-manhã e almoço, palestras ministradas pelos próprios alunos falando sobre o curso disponibilizado pela escola.

Num segundo momento, conforme explica a secretaria municipal de Educação, Leiva Custódio Pereira, o plano é ampliar a discussão acerca de um Plano Pedagógico específico para as escolas da área rural. “Queremos que essa aproximação com a EFA Itapirema resulte em um fórum educacional onde possamos discutir uma proposta pedagógica diferenciada para as escola da área rural que contemple as necessidades, a cultura, a vida do homem do campo. O que acontece hoje é que as escolas da área rural apenas repetem o currículo das escolas da área urbana. A proposta do prefeito (Jesualdo Pires) é de criarmos uma nova metodologia para a educação do campo”, disse Leiva.

Para Leiva Custódio, através deste projeto o que se busca é mostrar o modelo adotado na EFA Itapirema, que trabalha com a pedagogia da Alternância. “Queremos mostrar que é possível uma metodologia voltada ao campo”, concluiu a secretária.

!cid_ii_13f10ade51aa7bf5 !cid_ii_13f10aea07c726f0 !cid_ii_13f10ae3919147c5

Esta entrada foi publicada em Agronegócio. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário