Acir diz que aumento da tarifa de energia elétrica afronta a população

O reajuste na tarifa de energia elétrica em Rondônia, autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e que teve liminar contrária recentemente derrubada na Justiça Federal, foi considerada pelo senador Acir Gurgacz (PDT-RO) uma grande “afronta a população”. O parlamentar rondoniense recebeu posicionamentos das associações comerciais, dos consumidores e de federações conclamando a bancada federal a se unir com o governo do Estado, Assembleia Legislativa e câmaras de vereadores para reverter o aumento médio de até 27% na conta do consumidor.

Acir indagou que País é este, onde se aumentam as tarifas para o trabalhador em índices escorchantes enquanto se impõe um salário mínimo miserável ao povo brasileiro. “Entendendo que se esta medida não for revertida trará sérios prejuízos para Rondônia, gerando inclusive o desemprego, com o custo Rondônia aumentando sensivelmente”, bradou o senador.

   O representante pedetista asseverou que não se justifica um reajuste desta natureza enquanto que Rondônia possui três hidrelétricas abastecendo todo o país. O estado teve muitos prejuízos sociais e ambientais com as barragens e por este motivo nossa população deveria ser beneficiada com uma tarifa social bastante inferior a que se pratica em todo país. “Nosso estado não pode pagar o pato por más gestões das concessionárias estaduais, cuja situação a ANEEL não levou em conta”. 

O parlamentar se colocou à disposição dos órgãos de fiscalização, controle e entidades de classe no sentido de continuar na luta em defesa de uma tarifa de energia mais benéfica para o consumidor e para as empresas que geram centenas de empregos.

1 Comentário

  1. Abusivo não é o preço da energia, abusivo são os impostos que incidem sobre o valor da mesma, “necessários” para sustentar um bando de pilantras,alguns até presos,que elegemos para nos representar e na verdade estão lá para representar seus interesses próprios.

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.