Coluna Conta Gotas, do Lúcio Albuquerque

PERGUNTAR NÃO OFENDE

lucio400
José Lúcio Cavalcante de Albuquerque. É presidente da Academia de Letras de Rondônia. Ex-editor dos jornais Tribuna, Alto Madeira, e com passagens em outras publicações como o Estadão do Norte, Lúcio Albuquerque, egresso da imprensa amazonense, tem projeção nacional, desde a década de 80, quando foi correspondente do Estadão de São Paulo. Com um dos currículos mais completos do jornalismo rondoniense, Lúcio Albuquerque, graças ao seu diligente trabalho de apuração, ganhou prestigio e credibilidade na imprensa regional. Pela relevância do seu trabalho escreve para uma rede de sites e jornais de todo o Estado, honrando o gentedeopinião, com artigos de sua lavra. Jornalista e historiador, Albuquerque é testemunha ocular da explosão rondoniense, seja como repórter, ou fundador da primeira entidade representativa dos jornalistas, ainda no final dos anos 70.

Por que o Governo brasileiro não desonera no IR quem ganha até 15 salários mínimos, mas desonera empresários?

Leia no pé da coluna: Urna eletrônica brasileira – nem o Paraguai quer

Datas de Rondônia

E Seu Benu Retrô

QUE INTERESSE?

O site folhauol.com.br durante dois dias, esta semana, noticiou com destaque a mesma coisa: a presidiária Suzane von Richthofen assumiu um relacionamento com outra detenta, Sandra Gomes acusada do assassinato de um menino. A oficialização aconteceu num presídio paulista onde as duas estão reclusas. O fato (junção de duas pessoas nascidas mulheres ou duas nascidas homens) não é novidade. Daí que fica a pergunta: há interesse público ou interesse jornalístico nessa junção? Por essas é que a cada dia o jornalismo perde seu espaço como exercício de coisa séria neste país.

 URNA ELETRÔNICA – NEM O PARAGUAI QUER

Quem não deve não teme. O velho – e muito sábio – dito popular está em choque direto com a posição enunciada pelo site do jornal O Estado de São Paulo (http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,maioria-dos-ministros-do-tse-critica-psdb-e-deve-negar-pedido-de-auditoria,1586371), onde cita que maioria dos membros do TSE esteja contra auditoria das urnas eletrônicas.

 Particularmente eu nunca confiei nesse sistema, ainda mais depois que andei lendo matérias sobre a violabilidade das ditas cujas. Se até entrada de cinema você guarda um pedaço do tíquete, então por qual motivo não se dar ao cidadão a oportunidade de serem tiradas todas suas dúvidas, com uma investigação independente. Só aceito continuar usando porque a Lei me obriga – sugiro ler http://www.viomundo.com.br/denuncias/amilcar-brunazo-ridicula-a-tentativa-do-tse-de-minimizar-descoberta-da-unb.html.

Ao TSE e à inviolabilidade das urnas eletrônicas essa representação impetrada pelo PSDB está dando uma oportunidade ímpar de reafirmar serem elas invioláveis. Sobre a informação do Estadão é bom lembrar que dois importantes ministros do TSE foram advogados ligados direta ou indiretamente ao PT, o maior interessado (na eleição passada) em que a verificação não aconteça. Aqui é preciso atentar para uma lógica comum no campo jurídico: Qualquer juiz de primeira instância se omite, por razões éticas, de participar de julgamentos em que esteja envolvida parte com a qual tenha ou tenha tido alguma ligação.

Não se trata aqui de terceiro turno, mas de botar a casa em ordem efetivamente. Vejamos: um sistema que o Paraguai (e aqui cito o Paraguai não de forma depreciativa, mas em razão de ser um em que certamente o avanço tecnológico não seja tão preciso) não quer usar o que o Brasil usa.

O Brasil continua usando o mesmo sistema que já foi rejeitado em países como a Holanda. Aqui cabe uma pergunta: Por que países como Estados Unidos, Argentina, Holanda, Alemanha, Rússia e outros, alguns eletronicamente bem colocados, não usam as máquinas DRE de 1ª geração, as brasileiras? É simples, porque devem ter concluído que são inconfiáveis – o que, aliás, parece ser a opinião de muita gente por este país continente. Na Venezuela, país tantas vezes criticado por brasileiros, o eleitor tem o voto impresso dele.

Em vários países – por exemplo Bélgica, Holanda, Alemanha, Argentina, Rússia, parte dos Estados Unidos, alguns estados do México além de províncias do Canadá, há o sistema mas em segunda geração, que permite celeridade e, também, que o eleitor leve sua cópia para casa.

Francamente não há como justificar posição contrária a duas coisas: 1) Ao pedido do PSDB para auditar as urnas; 2) Colocar o sistema atual no arquivo e usar a formula de sucesso em outros países com o eleitor levando sua via para casa. Quem não deve não teme. Daí não dar para aceitar a assertiva da inviolabilidade, sem permitir que haja uma auditoria independente capaz de, ao final, dar um atestado de idoneidade, mas num país onde a meritocracia foi colocada de lado, não é de se estranhar a possibilidade de não aceitação da investigação.

SUE BENU RETRÔ

De vez em quando seu Benu me surpreende. Ontem ele estava fazendo sua inspeção diária pelo noticiário quando – disse ele sem querer – apertou uma tecla do computador e deu de cara com seu arquivo de maldades.

Aí puxou uma velha manchete do hebdomadário vilhenense “Folha de Vilhena” realizando autêntica ação retro. Naquela edição, quando tratava de processo aberto pela Câmara Municipal de Cabixi contra o prefeito, o jornal que tem circulação em todo cone sul rondoniense – sete municípios, saiu-se com essa:

“Prefeito pode ter sido cassado ontem” e mandou ao leitor que o resto da informação sairia na próxima edição – no outro final de semana.

Seu Benu deu uma gargalhada: “Pior é que não essas coisas não acontecem só entre nós. Eu estava relendo o Stanislaw Ponte Preta (ver livro Febepapá 1) e um jornal do Ceará mandou a seguinte manchete: “Todo fumante morre de câncer a não ser que outra doença o mate primeiro”.

“Bom, meu chegado, claro que fumante ou não toda pessoa embarca mesmo. Só faltou o redator acrescentar que a pessoa pode morrer também de várias outras maneiras, até de infarto provocado por manchetes como essas aí”.

DATAS DE RONDÔNIA

28 de outubro a 3 de novembro

Dia 28 – Em 1960 – Sai de São Paulo a Caravana Ford composta por viaturas diversas compradas pelo governador Paulo Leal para o Território, e mais outros veículos, sob a liderança do mecânico Eduardo Lima e Silva (Seu Dudu) rumo a Porto Velho, pela BR-29 (Manoel Rodrigues Ferreira, A Ferrovia do Diabo).

Dia 29 – Em 1944 – Fundada a Federação de Desportos do Guaporé, tendo como presidente o médico Renato Medeiros (Jornal Alto Madeira).

Dia 30 – Em 1913 – Pelo decreto 741 o governador amazonense Jonathas Pedroza eleva o povoado de Porto Velho à categoria de Vila do município de Humaitá e o Termo Judiciário subordinado à Comarca daquele município (Francisco Matias, Pioneiros).

Dia 31 – Em 1947 – Frederico Trotta toma posse como governador do Território (Tereza Chamma, Cadernos de Guajará-Mirim).

Novembro

Dia 3 – Em 1943 – O coronel Aluízio Pinheiro Ferreira toma posse, no Rio de Janeiro, como primeiro governador do Território Federal do Guaporé (Vitor Hugo, Cinquenta anos do Território Federal do Guaporé).

Dia 3 – Em 1981 – Decreto assinado pelo governador Jorge Teixeira de Oliveira, do Território Federal de Rondônia, desmembra área do município de Vilhena para constituir o município de Colorado d’ Oeste (Revista Imagem, junho/2009).

jlucioalbuquerque@gmail.com

Be the first to comment

Deixe um comentário