Sílvia Cristina cobra de Ministro conclusão de habitação popular

A deputada Sílvia Cristina é uma das mais atuante em Brasília
A deputada Sílvia Cristina é uma das mais atuante em Brasília

A deputada federal Sílvia Cristina, cobrou do Ministro Gustavo Canuto, do Desenvolvimento Urbano, a conclusão das mais de 1.400 moradias de um projeto habitação popular que estão sendo construídas em Ji-Paraná e que já eram para ter sido entregues no ano passado. O pedido de Sílvia Cristina foi feito durante Audiência Pública realizada na Comissão de Desenvolvimento Urbano, no Plenário 9, da Câmara dos Deputados, no último dia 23//04.

Sílvia destacou ainda que a questão da habitação popular é um dos mais sérios problemas que existe no Estado de Rondônia, e citou como exemplo a questão da primeira iniciativa em Ji-Paraná, da construção de habitação por prédios, composto por cerca de 1453 apartamentos, dos quais 720 encontram-se já em fase final, sendo que os mesmos já deveriam ter sido entregues no ano passado. “Infelizmente foi feita uma nova previsão, esta para ser entregue agora no mês de maio, porém, a realidade é outra, e a empresa não deu prosseguimento à obra, que é o sonho de muitos ji-paranaenses”, frisou a deputada.

O ministro foi alertado ainda pela deputada que, o descontentamento com a situação é tão grande, por parte da população que já se fala inclusive que o risco de uma invasão iminente é muito grande. “Todos estão muito atentos a isso, Ministro, porque, inclusive, já aconteceram furtos e depredações no local”, enfatizou.

Outra cobrança da deputada Sílvia Cristina, que isentou o ministro Gustavo Canuto dessas responsabilidades, é de que essas habitações populares estão sendo entregues sem equipamentos sociais, como creches, escolas ou áreas de lazer, lembrando ainda que a grande maiorias dessas construções sempre são muito afastadas das regiões centrais, o que traz mais dificuldades ainda para as famílias, e pediu para que o Ministro se empenhe em trazer soluções imediatas para este tipo de problema, que aflige com muito mais severidade não apenas Ji-Paraná, mas toda a Região Norte.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.